quarta-feira, 13 de junho de 2018

RESENHA: THE IMMORTAL HULK 1


AVISO: TEM SPOILER


Fala Galera! A primeira edição da nova mensal do Hulk foi publicada nos Estados Unidos, marcando uma nova fase do personagem, bem como, a estréia da nova equipe criativa incumbida de produzir as novas historias do Golias Esmeralda, a saber, Al Ewing e Joe Bennett.

A experiência de leitura de The Immortal Hulk 1 foi muito boa, Al Ewing construiu um roteiro convidativo, que prende a atenção e mostra sua proposta para a publicação.



A narrativa começa de forma intensa, haja vista que um sujeito que devia dinheiro para o líder de uma gangue assalta um posto de gasolina, o problema é que no assalto ele mata três pessoas, o balconista, uma menina de apenas doze anos e Bruce Banner.



Quando a noite chega, Banner se transforma no Hulk e consegue chegar até a gangue e no assassino, um quadro de terror e suspense é apresentado nesse momento, revelando um profundo medo nas pessoas.



O ápice se dá quando o Hulk se revela de forma assustadora para o sujeito que assaltou o posto de gasolina, uma conversa carregada de medo e terror psicológico promovido pelo Hulk revela um Golias Esmeralda que põem medo em qualquer um.

Alias, medo é uma palavra que pode ser usada com facilidade nessa edição, o medo que as pessoas sentem, o medo imposto por causa de alguém que está te cobrando, o medo que é gerado num assalto e o medo como resposta de atos inconsequentes como atirar nas pessoas como reflexo de pavor.


O saldo final é muito positivo para uma primeira edição, podemos dizer que o Golias Esmeralda está de volta de uma forma muito bem apresentada e muito respeitosa com o personagem.

O cenário de sombras, suspense e terror proposto na narrativa é muito interessante e a personalidade do Hulk pode ser definida como assustadora e os desenhos do brasileiro Joe Bennett estão excelentes.



Confesso que nunca fui muito fã dos trabalhos do Al Ewing, normalmente são histórias chatas, arrastadas, prolixas e coisas desse tipo, roteiros esquecíveis e que sempre me fizeram olhar com desconfiança para o autor.



Mas, pelo menos na edição de estréia de The Immortal Hulk ele mandou muito bem e espero que continue assim e que possamos ter uma fase excelente do Golias Esmeralda novamente, uma fase que faça jus a grandeza e importância do personagem.

Nota 9,0!

Até a próxima!

7 comentários:

  1. Legal João! Boa sorte aí pra equipe que vai cuidar do Golias Esmeralda. No mais, só de ver o Banner de volta já dá uma alegria imensa. Forte abraço e obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é muito bom ter o bom e velho Bruce Banner de volta parceiro
      Um abraço

      Excluir
  2. otima resenha!!so nao gostei do tamanho do hulk,parece q tem 3 metros de altura,nao gosto quando fazem ele desse tamanho,fora isso me pareceu interessante como ele foi abordado pelo al Ewing,tbm nao gostei de outros trabalhos dele.vamos ver no q vai dar .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A história é bem bacana e também me incomoda um pouco um Hulk exageradamente grande

      Excluir
  3. quando será que chegará nas terras tupiniquins?

    ResponderExcluir
  4. O Hulk tem que ser grande mesmo, e monstruosamente forte, nao gostei que as balas marcaram a pele dele

    ResponderExcluir